Número total de visualizações de página

24/11/2008

Exploração Comercial Portuguesa na Expansão

Quadro comparativo da exploração comercial portuguesa na Costa Ocidental Africana e no Oriente.

12/11/2008

A Expansão portuguesa dos séculos XV e XVI

Proponho-vos um conjunto de ligações que te possibilitam a revisão de alguns conteudos trabalhados nas nossas aulas.
Diverte-te e aprende.

Cronologia dos Descobrimentos
Os portugueses no mar
As embarcações
Sopa de letras

30/09/2008

Apresentação: Lisboa nos circuitos comerciais europeus

Neste link podes aceder à apresentação que explorámos na sala de aulas e rever os teus conhecimentos.
Bom trabalho

21/09/2008

Um Bom Ano Lectivo de 2008-2009

Caro aluno, neste blog vais aceder à correcção do teste diagnóstico realizado na última aula. Podes ainda encontrar, ao longo do ano, um conjunto de materiais e de propostas de actividade para tu realizares. Assim, guarda este endereço nos favoritos do teu computador e regista-o no teu caderno diário.
Desejo-vos um bom ano lectivo de 2008-2009

Um Bom Ano de 2008-2009

Caros amigos neste local poderás aceder à correcção da ficha de diagnóstico realizada na primeira aula do ano lectivo que agora iniciamos.
Deves guardar no teu caderno diário e nos favoritos do teu computador este site porque nele, sempre que for oportuno, vão ser colocadas informações e propostas de actividades para tu realizares.
Desejo-vos um bom ano de 2008-2009.

18/09/2008

CORRECÇÃO DO TESTE DIAGÓSTICO

Tens à tua disposição o ficheiro para a correcção do teste diagóstico. Cria no teu computador uma pasta de trabalho /HISTÓRIA/ e descarrega este ficheiro para essa pasta.
Ao longo do ano vais ter a possibilidade de guardar alguns ficheiros de apoio ao trabalho na disciplina.
Desejo a todos os alunos do 8º A, um bom ano de trabalho.

09/04/2008

A Economia do Antigo Regime




O Peso da Agricultura


A economia de Antigo Regime foi uma economia predominan­temente agrícola . A grande maioria da população vive da agricultura e foram essencialmente os produtos agrícolas que alimentaram a actividade mercantil que então se desenvolvia.

Centrada na produção de cereais e do vinho, a agricultura da primeira metade do século XVIII era ainda bastante atrasada. Para além do arcaísmo das técnicas agrícolas (rudimentares), em que ainda se utiliza­vam instrumentos de madeira (só as pontas eram de ferro) e o sistema de pousio, também o regime de propriedade dificultava os investimentos na agricul­tura e não era compensador.
Ao concentrar a posse da terra nas mãos do rei, da nobreza e do clero, o regime de propriedade fomentava o absen­tismo dos seus proprietários. Por outro lado, a organização terri­torial em senhorios fazia com que os camponeses estivessem sujeitos a pesados tributos, o que desmotivava qualquer esforço em ordem a uma maior produtividade.

Vivendo de uma agricultura tecnicamente atrasada, as popula­ções europeias estavam sujeitas aos efeitos dos maus anos agríco­las. As crises cerealíferas daí resultantes originavam, por sua vez, as fomes e as quebras demográficas típicas da sociedade de Antigo Regime.Há que notar, no entanto, que em algumas regiões do Norte da Europa se verificou, já a partir do século XVII, uma expansão das culturas cerealíferas, da vinha e da criação de gado. Foi o que aconteceu na Inglaterra e nos Países Baixos onde as exigências da produção manufactureira e da actividade mercantil proporcio­naram o desenvolvimento do sector primário. Aqui, a produção agrícola era já pensada em ordem à sua entrada nos circuitos comerciais.

31/03/2008

ESQUEMA RESUMO




POLÍTICA DE TRANSPORTE // POLÍTICA DE FIXAÇÃO

Política de Transporte
Toda a riqueza do Oriente passava apenas por Portugal e ia fomentar o trabalho estrangeiro, que nos fornecia de todas as coisas. As fomes sucediam-se e era necessário endividar-se a Coroa para comprar cereais no mercado da Flandres [o país não produzia]. (...) O País importava de África todos os anos, segundo diz um escritor, 338 000 moios de trigo e 670 000 de cevada. Em fins de 1543, deviam-se na Flandres somas enormes, além das que se tomavam em letras «a tão altos preços que se dobra a dívida em quatro anos».

(António Sérgio, Breve Interpretação da História de Portugal)



Política de Fixação/Capitalismo Comercial
Embora Portugal e Espanha tivessem alcançado grandes lucros com o comércio marítimo colonial, esses lucros não foram investidos de forma a desenvolver a agricultura e a indústria manufactureira nacionais e, assim, a fomentar o progresso desses Estados. Pelo contrário, a burguesia dos países do Norte da Europa, activa e empreendedora, aproveitou os lucros obtidos com o comércio colonial para os reinvestir no comércio ou apli­car no desenvolvimento de manufacturas e da agricultura. Parte da produção resultante dessas actividades era depois exportada, contribuindo para criar mais riqueza. Assim, alguns países do Norte da Europa conseguiram enriquecer, principalmente através do comércio.
O grande desenvolvimento mercantil deu origem ao capita­lismo comercial, ou seja, à acumulação de capitais que provinha dos lucros da actividade do comércio e que, na sua maioria eram de novo reinvestidos no comércio.

07/01/2008

O Renascimento - Recursos

Observa atentamente a apresentação sobre o Renascimento que tens ao teu dispôr no seguinte link: http://gouveiajm.googlepages.com/8ano