Número total de visualizações de página

09/04/2008

A Economia do Antigo Regime




O Peso da Agricultura


A economia de Antigo Regime foi uma economia predominan­temente agrícola . A grande maioria da população vive da agricultura e foram essencialmente os produtos agrícolas que alimentaram a actividade mercantil que então se desenvolvia.

Centrada na produção de cereais e do vinho, a agricultura da primeira metade do século XVIII era ainda bastante atrasada. Para além do arcaísmo das técnicas agrícolas (rudimentares), em que ainda se utiliza­vam instrumentos de madeira (só as pontas eram de ferro) e o sistema de pousio, também o regime de propriedade dificultava os investimentos na agricul­tura e não era compensador.
Ao concentrar a posse da terra nas mãos do rei, da nobreza e do clero, o regime de propriedade fomentava o absen­tismo dos seus proprietários. Por outro lado, a organização terri­torial em senhorios fazia com que os camponeses estivessem sujeitos a pesados tributos, o que desmotivava qualquer esforço em ordem a uma maior produtividade.

Vivendo de uma agricultura tecnicamente atrasada, as popula­ções europeias estavam sujeitas aos efeitos dos maus anos agríco­las. As crises cerealíferas daí resultantes originavam, por sua vez, as fomes e as quebras demográficas típicas da sociedade de Antigo Regime.Há que notar, no entanto, que em algumas regiões do Norte da Europa se verificou, já a partir do século XVII, uma expansão das culturas cerealíferas, da vinha e da criação de gado. Foi o que aconteceu na Inglaterra e nos Países Baixos onde as exigências da produção manufactureira e da actividade mercantil proporcio­naram o desenvolvimento do sector primário. Aqui, a produção agrícola era já pensada em ordem à sua entrada nos circuitos comerciais.