Número total de visualizações de página

19/04/2009

O Iluminismo e as propostas de alteração do poder e da sociedade

Iluminismo - Nome de movimento intelectual europeu do século XVIII, e que parte da identificação entre cultura e civilização, convertida em ideal de razão, ciência e progresso. Este movimento, que se reclama herdeiro do racionalismo do século XVII, tem alguns dos seus representantes mais influentes na França, Suíça e Alemanha. Os escritos de Jean‑Jacques Rosseau e dos enciclopedistas franceses dominam boa parte do movimento. Francis Bacon, Descartes, Newton e Locke são alguns dos filósofos e cientistas usualmente apontados como precursores próximos.
Confiantes no progresso, os iluministas, entre os quais Voltaire, desenvolveram por vezes um combate ao Antigo Regime e às instituições que consideravam suporte deste.
· Defende-se a divisão dos poderes em Legislativo, Executivo e Judicial.

· Defende-se uma sociedade baseada na igualdade, na liberdade e que o poder tenha origem no povo e não em Deus.

· Denuncia-se o abuso dos reis, as injustiças e a intolerância.

· Propõe-se:
Substituir o absolutismo pelas monarquias parlamentares
Separar e tornar independentes os poderes
Extinção da sociedade de ordens
Abolição dos privilégios do Clero e da Nobreza
Igualdade dos cidadãos perante a Lei.

Estas ideias circulam pela Europa através de jornais, livros e pela Enciclopédia.
Os cafés, salões e academias são importantes locais de discussão de ideias.

18/04/2009

André Gonçalves



André Gonçalves era um pintor português, nascido em 1692 e falecido em 1762, foi responsável pela mudança estética que se operou em Portugal no início do século XVIII, e que consistiu num abandono dos esquemas hispânicos do seiscentismo e na adopção dos esquemas italiano e francês, mais ricos e variados. As suas obras de maior renome são o tecto da Igreja do Menino Deus, em Lisboa, alguns quadros da Capela dos Sete Altares, em Mafra, bem como o retábulo da capela do Palácio de Queluz. Muitos dos seus quadros encontravam-se em igrejas de Lisboa que foram destruídas pelo terramoto de 1755.


Trabalho elaborado por :
Jessica Antunes 8ºA
Carlos Filipe 8ºA

Bernini


Gian Lorenzo Bernini (Nápoles, 7 de Dezembro de 1598 – Roma, 28 de Novembro de 1680) foi um eminente artista do barroco Italiano, trabalhando principalmente na cidade de Roma. Distinguiu-se como escultor e arquitecto, ainda que igualmente tivesse sido pintor, desenhista, cenógrafo e criador de espectáculos de pirotecnia. Esculpiu numerosas obras de arte presentes até aos dias actuais em Roma e no Vaticano.
Gian Lorenzo Bernini nasceu no seio de uma família florentina, filho de Pietro Bernini, escultor maneirista. Cedo acompanhou o pai a Roma, onde suas precoces habilidades de prodígio logo foram notadas pelo pintor Annibale Carracci e pelo papa Paulo V começando assim a trabalhar como artista independente. Os seus primeiros trabalhos foram inspirados por esculturas helenistas e romanas existentes.


Bibliografia:



Trabalho feito por:

Catarina Santos nº4 8ºA
Joana Mendes nº10 8ºA

Rembrandt





Rembrandt Harmenszoon van Rijn nasceu em 15 de julho de 1606, em Leiden, Países Baixos. A sua família era formada por 7, 9, ou 10 filhos. Seu pai era moleiro e sua mãe, filha de um padeiro.Quando criança ele teve aulas de latim e foi matriculado na Universidade de Leiden, embora desde cedo demonstrasse inclinação para a pintura. Pouco tempo depois ele tornou-se aprendiz do pintor histórico de Leiden, Jacob van Swanenburgh.
Depois de um breve mas importante aprendizado com o famoso pintor Pieter Lastman em Amesterdão, Rembrandt abriu um estúdio em Leiden, dividindo-o com seu colega Jan Lievens. Em 1627, Rembrandt passou a aceitar alunos.
Em 1629 Rembrandt foi descoberto pelo estadista e poeta Constantijn Huygens, pai de Christiaan Huygens (um famoso físico e matemático neerlandês), que conseguiu para Rembrandt importantes encomendas da corte de Hague. Como resultado desta conexão, o Príncipe Frederik Hendrik foi cliente de Rembrandt até 1646.Em 1631, Rembrandt havia adquirido tal renome que recebia diversas encomendas de retratos em Amsterdão. Como conseqüência, ele mudou-se para a casa de seu agente, Hendrick van Uylenburgh. Esta mudança eventualmente levaria, em 1634, ao casamento de Rembrandt com a prima de Hendricks, Saskia van Uylenburgh. Saskia vinha de uma família abastada (seu pai fora advogado e burgomestre de Leeuwarden.
Em 1639, Rembrandt e Saskia mudaram-se para uma casa maior em Jodenbreestraat, um quarteirão judeu. Era nesta casa que Rembrandt frequentemente contratava seus vizinhos judeus como modelo para suas cenas do Velho TestamentoRembrandt vivia além de suas posses, comprando várias obras de arte, gravuras e raridades, o que provavelmente levou à sua bancarrota em 1656. Posteriormente, foi forçado a vender a maioria de suas obras, além de sua casa e sua máquina de impressão, mudando-se para um local mais modesto em Rozengracht. Lá, Hendrickje e Titus abriram uma loja de arte para ganhar a vida. Em 1661 Rembrandt foi contratado para completar uma série de pinturas para o recém-construído prédio da prefeitura, mas só pelo fato do artista que havia sido contratado originalmente falecer antes de concluir o trabalho.Rembrandt morreu em 4 de outubro de 1666 em Amesterdão e foi sepultado em uma cova anónima em Westerkerk.



Trabalho realizado por Inês Costa e Patrícia Ribeiro - 8º A

17/04/2009



Velásquez nasceu em 6 de Julho de 1599, na cidade de Sevilha (sul da Espanha), filho de um advogado de origem portuguesa e de mãe sevilhana.
Desde criança demonstrou grande interesse pela pintura. O pai, verificando este dom, levou Velásquez, com 11 anos de idade, para estudar pintura com o artista plástico naturalista Francisco Herrera.
Em 1611, o pai levou Velásquez para ser aprendiz no ateliê de pintura do artista Francisco Pacheco.
Veláquez casou-se com Juana, filha de seu professor de arte. Com ela teve uma filha chamada Francisca.Em 1622, viajou para Madrid e conheceu o poeta Luis de Góngora de quem pintou um retrato.
Na década de 1620, começou a fazer importantes contactos artísticos e também entre a nobreza espanhola.
Em 1623, foi nomeado pelo rei Felipe IV como o novo pintor real.
Em 1629, conheceu o pintor barroco Rubens, de quem absorveu grande influência artística.
Viajou em 1629, em missão oficial, para a Itália. Em Roma teve contacto e estudou as obras do Renascimento.
Em 1631, regressou a Espanha e recebeu do rei da Espanha a missão de fazer um retrato do príncipe Baltasar Carlos.
Em 1635, pintou uma de suas grandes obras de temática histórica: A rendição de Breda.
Velásquez, acometido de uma grave doença, morreu em 6 de Agosto de 1660, na cidade de Madrid.
A obra “As Meninas”, que retrata a família de Filipe IV, é um dos mais importantes quadros pintados por Velázquez. A obra está hoje no Museu do Prado. É uma das obras pictóricas mais analisadas e comentadas no mundo da arte. Como tema central mostra a infanta Margarida de Áustria, apesar que a pintura apresentar outras personagens, incluída o próprio Velázquez.


Trabalho de: Vanessa Gonçalves nº16, Rita Tomé nº1 - 8ºA

15/04/2009

Rubens





Peter Paul Rubens (Siegen, 28 de Junho de 1577 — Antuérpia, 30 de Maio de 1640) foi um pintor flamengo inserido no contexto do Barroco. Teve êxito em tudo que fez e deixou para a posteridade um legado de muita arte e expressão do mais puro Barroco, de forma sincera e verdadeiramente vivida.


Rubens nasceu fora da terra em que passou a maior parte de sua vida e à qual serviu com muito patriotismo, Flandres (hoje uma parte da Bélgica). Os seus pais encontravam-se exilados na cidade de Siegen, no Sacro Império Romano-Germânico, por apoiarem a luta dos Países Baixos pela independência em relação à Espanha. Além do crime político, o pai de Rubens ainda caiu em desgraça quando foi descoberto o seu envolvimento amoroso com a Princesa de Orange, esposa do líder do movimento separatista. Só escapou da condenação à morte porque sua esposa Maria Pypelinckx, a futura mãe do pintor, lhe concedeu um perdão público, fazendo a pena ser substituída por exílio.


Algumas das obras de Rubens:






Trabalho realizado pelas alunas Beatriz Isaías e Cátia Isaías (8º A)

Francesco Borromini




Arquitecto e escultor italiano, Francesco Castelli, mais conhecido por Francesco Borromini, nasceu em 1599, em Bissone, na Lombardia, e morreu a 2 de Setembro de 1667, em Roma. Por volta de 1610 foi para Milão aprender o ofício de talhar a pedra e, em 1620, mudou-se para Roma onde se torna um dos artesãos de Carlo Maderna (1556-1629), o mais importante arquitecto italiano na época, colaborando nos trabalhos da Catedral de S. Pedro e no Palácio Barberini.
Com a morte de Maderna, em 1926, passa a trabalhar com Giovanni Bernini (1598-1680) que fora nomeado arquitecto oficial de S. Pedro em sua substituição, e participa na execução do Baldaquino sobre o túmulo de S. Pedro. Em 1633, Borromini começa a trabalhar como arquitecto por conta própria, iniciando uma contenda com Bernini que duraria até ao fim dos seus dias. A sua primeira grande encomenda, e uma das suas obras primas, foi a igreja de S. Carlo alle Quattrofontane (1638-41) onde expressa o seu estilo pessoal e que foi criticada por Bernini que o acusa de subverter as regras da arquitectura clássica e as proporções arquitectónicas baseadas no corpo humano, que ele entende serem sagradas por este ser feito à imagem de Deus.
De facto Borromini, que é um grande conhecedor da arquitectura clássica, reivindica o direito de interpretar livremente os motivos herdados da grande arquitectura romana recusando o que ele considera ser uma mera cópia desses monumentos.
Esta atitude, que representa o pensamento barroco, foi largamente seguida pelas gerações vindouras e o seu exemplo espalhou-se por toda a Europa.
Borromini era uma pessoa perturbada, morreu com um ferimento que infligiu a si próprio, deprimido por a sua obra não ser devidamente reconhecida pelos seus contemporâneos.
Principais obras deste arquitecto:
Destacam-se neste autor obras como San Carlino alle Quattro Fontane, Sant’Ivo allá Sapienza e Santa Agnese.




Trabalho realizado por:
• Inês Pinho
• Gonçalo Pires

14/04/2009

Nicolau Nasoni


Nicolau Nasoni (San Giovanni Valdarno, 2 de Junho de 1691 — Porto, 30 de Agosto de 1773) foi um artista, decorador e arquitecto italiano que desenvolveu grande parte da sua obra em Portugal, considerado um dos mais significativos arquitectos da cidade do Porto. A sua obra inclui uma parte importante da arte barroca e rococó (rocaille) nesta cidade, chegando a envolver alguns dos melhores e mais significativos edifícios do século XVIII do Porto e arredores.

Lista de obras confirmadamente projectadas e atribuídas:
1731-1773 - Igreja, enfermaria e torre da Irmandade dos Clérigos, Porto
1734 - Paço Episcopal, Porto
1737 - Obras de arquitectura na Quinta de Santa Cruz do Bispo, Matosinhos
1738 - Chafariz e escadaria do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios, Lamego
1742-1754 (ca.) - Palácio do Freixo e jardim envolvente, Porto
1743-1747 - Fachada da Igreja do Senhor Bom Jesus, Matosinhos
1743-1758 (ca.) - Casa e jardins da Quinta da Prelada, Porto
1745 - Fonte das Lágrimas, Porto
1746-1749 - Casa do Despacho da Ordem Terceira de São Francisco, Porto
1748-1754 - Igreja paroquial de Santiago de Bougado, Trofa
1749 - Fachada da Igreja da Misericórdia do Porto, Porto
1727-1737 (ca.) - Obras de arquitectura e escultura na Quinta dos Cónegos, nomeadamente os chafarizes, Maia
1737 (ca.) - Chafariz de São Miguel ou do Anjo, junto à Sé do Porto
1743-1747 - Capela da Quinta da Conceição, Leça da Palmeira, Matosinhos
1745 (ca.) - Fachada lateral da igreja do Convento de Corpus Christi, Vila Nova de Gaia
1749-1754 (ca.) - Capela da Casa dos Maias, Porto
1760 (ca.) - Risco para as obras de arquitectura e decoração de jardins para a Quinta do Alão, Matosinhos

Webgrafia:
http://www.geneall.net/img/pessoas/pes_346027.jpg
http://pt.wikipedia.org/wiki/Nicolau_Nasoni

Trabalho realizado por:
Mariana Alves, nº12
Pedro Mateus, nº 14