Número total de visualizações de página

21/11/2011

Com base no documento e na informação do manual, identifica os motivos da crise do Império Português nos finais do século XVI

6 comentários:

Anónimo disse...

Os motivos da crise do Império Portugês nos finais do século XVI foram:

- Uma deficiente e dispendiosa administração do Império, com falta de recursos militares;

- Uma má aplicação dos lucros obtidos com o comércio que eram,em grande parte, gastos em bens de ostentação e de luxo;

- Uma reorganização, por parte dos Turcos e dos Árabes, do comércio dos produtos orientais, com a definição de novas rotas de tranporte mercadorias(rotas do Levante) entre o Oriente e a Europa.

- Naufrágios, provocados quer por carga escessiva quer por tempestades, quer por ataques de inimigos;

- Uma maior e mais eficiente organização de pirataria e do corso apoiado pela Inglaterra, pela França e pela Holanda;

- Uma gradual ocupação (ou tentativa de ocupação), por parte dos inimigos de Portugal, dos territórios dominados pela Coroa portuguesa.

MARIANA SEMEDO nº16

João Gouveia disse...

A crise do Império Português nos finais do século XVI deveu-se a: uma deficiente e dispendiosa administração do Império com falta de recursos militares, a ataques por parte dos corsários aos portugueses, naufrágios devido a excesso de peso, tempestades ou ataques de inimigos, uma reorganização dos Turcos e dos Árabes no comércio dos produtos orientais (definição das rotas do Levante entre o Oriente e a Europa), uma má aplicação dos lucros obtidos pelo comércio e também uma gradual ocupação, por parte dos inimigos de Portugal, dos territórios dominados pela Coroa portuguesa.

João Gouveia/nº12/8ºA

Sofia disse...

Os motivos da crise do império Português no séc.XVI foram:
-os vários naufrágios provocados por carga excessiva,tempestades e ataques de inimigos;
-falta de recursos militares;
-os vários ataques de corsários;
-uma maior organização da pirataria e do corso apoiada pela Inglaterra,França e Holanda;
-uma tentativa de ocupação dos territórios portugueses por parte dos inimigos de Portugal;
-uma reorganização do comércio dos produtos orientais;
-definição de novas rotas de transporte de mercadorias entre o Oriente e a Europa;
-má aplicação dos lucros;

Sofia Ribeiro nº18 8ºA

Anónimo disse...

Nos finais do século XVI, as dificuldades de Portugal em manter o monopólio do comércio oriental aumentaram, principalmente a:

- Uma deficiente e dispendiosa administração do Império com falta de recursos militares;
- Uma má aplicação dos lucros obtidos, que eram em grande parte, gastos em bens de luxo;
- Uma reorganização, por parte dos Turcos e dos Árabes, do comércio dos produtos orientais, com a definição de novas rotas de transporte de mercadorias (rotas do Levante), entre o Oriente e a Europa;
- Vários naufrágios, ou por cargas excessivas, tempestades ou por ataques de inimigos;
- Uma maior e melhor organização de pirataria e do corso apoiado pela Inglaterra, pela França e pela Holanda;
- Uma gradual ocupação/tentativa de ocupação por parte de inimigos de Portugal, dos territórios dominados pela Coroa portuguesa.

Apesar de todas estas dificuldades, o comércio português com o Oriente continuou a efetuar-se positivamente. Novos produtos como as sedas, as porcelanas e as lacas, vindas do Extremo Oriente (Malaca, Molucas, Japão e Macau) constituíam importantes fontes de receita.

Liliana Vilela, nº16

Jorge Gouveia disse...

RESPOSTA DO PROFESSOR:
Várias das vossas respostas estão bem elaboradas, faltou apenas deixar uma nota clara da informação que retiraram do documento.
Ao analisar o documento é possível observar que o Império Português do Oriente se viu afetado por problemas como o dos naufrágios, por carga excessiva e por tempestades e ataques de corsários (piratas contratados por outros reinos) que faziam perder navios, marinheiros e carga muito valiosa.
Para além destes motivos outros contribuíram para a crise do nosso império:

- Uma deficiente e dispendiosa administração do Império, com falta de recursos militares;

- Uma má aplicação dos lucros obtidos com o comércio que eram, em grande parte, gastos em bens de ostentação e de luxo;

- Uma reorganização, por parte dos Turcos e dos Árabes, do comércio dos produtos orientais, pela rota do Levante que recomeçou a concorrer com a nossa rota, a do Cabo.

- Uma gradual ocupação (ou tentativa de ocupação), por parte dos inimigos de Portugal, dos territórios dominados pela Coroa portuguesa.

Anónimo disse...

A crise do Império português do Oriente
A partir dos finais do século XVI, Portugal começou a ter algumas dificuldades em manter o monopólio do comércio do oriente. E isso deveu-se principalmente a:
-Uma deficiente e dipendiosa administração do Império, com falta de recursos militares;
-Uma má aplicação dos lucros obtidos com o comércio que faziam e grande parte dos lucros que tinham ganho com o comércio eram gastos em bens de ostenção e de luxo;
-Os naufrágios eram provocados por carga excessiva, por tempestades e alguns eram provocados por ataques de inimigos;
-Uma tentativa de ocupação, por parte de alguns inimigos de Portugal (por exemplo Espanha) nos territórios dominados pela Coroa Portuguesa;